Turismo nas montanhas melhora com a pandemia

    É quase uma chamada negativa, pensar em dizer que a Pandemia trouxe benefícios, uma vez que, muitas pessoas perderam suas vidas por conta dela.

    Continua depois da publicidade

    Ouvindo vários empresários, como fiz nos últimos dias, visitando propriedades do agroturismo de Pedra Azul e Venda Nova do Imigrante e alguns hoteleiros, posso concluir que os resultados comerciais até o momento são positivos. Não ouvi insatisfações de nenhum deles. Ao contrário, estão (de uma certa forma em comemoração kkkk) pelo aumento que tiveram em termos de público que frequentam as montanhas capixabas.

    O diretor do Agrotures, associação dos produtores do agroturismo do estado, Marco Grilo, nos conta um pouco da história das entidades e diz: “existe o Agrotur, entidade do agroturismo da cidade, e o Agrotures, que representa todas associações no Espírito Santo. A primeira foi criada aproximadamente em 1993, quando também iniciamos um trabalho mais efetivo na profissionalização destas atividades em Venda Nova. Na sequência, criamos a secretaria municipal de turismo, em 1995, tendo um secretário específico para tratar destas questões. De lá pra cá colhemos muitos frutos com está atividade que hoje traz muitos turistas ao município. No início da pandemia tivemos sim, uma pequena baixa no número de visitantes, devido também a necessidade das pessoas ficarem no isolamento. Mas este período foi curto (graças a DEUS) e o povo que ficou preso em casa, logo quis sair pra passear com os devidos cuidados sanitários. Alguns equipamentos de turismo fecharam suas portas (hotéis, pousadas e restaurantes) com um pouco de demissão, mas foi um tempo menor do que o esperado. Logo, voltamos ao trabalho e com mais força, em alguns casos as empresas já recontrataram seus funcionários, outros até já tiveram que ampliar as contratações, ao ponto de termos hoje um movimento maior do que antes, mesmo na pandemia”, conclui Marco Grilo, que já foi secretário municipal de turismo diversas vezes, atualmente é vereador.

    Uma atitude que vi e achei muito interessante, que demonstra uma grande sintonia entre os produtores, foi que cada lugar que o turista visita, pode adquirir produtos uns dos outros. Uma lojinha mostra pequena exposição dos diversos produtos da região, não só da propriedade onde o turista está. Dentre as inúmeras propriedades abertas para receber os turistas em Pedra Azul (Domingos Martins) e Venda Nova, que visitei ultimamente, estão: o Sítio Pedreiras, na Rota do Carmo, que trabalha no sistema de colhe e pague de morangos e amoras orgânicos; do Rainor Uliana, quê trabalha com o filho e a nora. Ele conta que não tem mais gente trabalhando na propriedade porque não encontra mão de obra para contratar. Ele relatou ainda, ser uma das primeiras propriedades que abriu as portas para este tipo de serviço ao turista e que coloca em sua loja os demais produtos da região no intuito de que todos cresçamos juntos, em favor do desenvolvimento do turismo local.

     Visitamos outras propriedades e conversamos com produtores, donos de restaurantes, hotéis, pousadas e com Andreia Rosa, executiva que cuida das ações do Convention Bureau das Montanhas, a fim de conferirmos as informações sobre a retomada do turismo na região de Pedra Azul e Venda Nova. Como disse no início do texto, todos que ouvi foram unânimes em citar que, a falta da mão de obra qualificada é o maior problema hoje para o setor. O que fica claro é que não há falta de empregos do segmento do turismo nas montanhas, diferente das cidades maiores que dependem do turismo de negócios e eventos.

    Visitando o Sítio Uliana, que fica há 400 metros da BR 262 no Km 85.8, que pertence a uma família descendentes de italianos, que preservam a culinária da Nonna italiana e mantêm suas tradições na produção de queijos, puina, iogurtes, geléias, pães, biscoitos, doces e flores, que além de sua loja (como as demais propriedades), oferta produtos dos demais produtores. Fomos recebidos por Luciano Uliana, que nos confirmou também que neste período de pandemia, teve crescimento das atividades e não prejuízo. Na mesma linha de raciocínio o produtor Maurício Magnago, do Sítio dos Palmitos, também na região da Pedra Azul, reforça que as propriedades abertas para receber turista, tem movimento hoje melhor do que antes da pandemia. Segundo Maurício, até que tenhamos uma vacina que possa imunizar a população para voltarmos ao normal, será assim, com tendência de maior crescimento, sempre respeitando o protocolo sanitário para os nossos queridos clientes.

    Continuarei a conversa com vcs leitores, na próxima coluna, e mostrarei outras propriedades, pra não ficar um texto muito cansativo. até lá. forte abraço a todos.

    1 COMENTÁRIO

    1. Realmente a Serra Capixaba com seu ar puro, beleza exuberante e o turismo rural é uma ótima opção de turismo saudável!
      Muito boa a matéria de Itamar Gurgel!
      Há alguns anos atrás estive aí como jornalista do Correio do Povo de Porto Alegre e Guia PANROTAS. Em breve quero retornar com minha esposa. Hoje, sou agente de viagens e pretendo incentivar meus clientes a conhecer o Espírito Santo e principalmente a Serra Capixaba.
      Roberto Gallicchio Biotur Viagens.

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Avaliação
    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui